12/01/2015
Terapia de Aceitação e Compromisso



André Pereira


A Terapia de Aceitação e Compromisso será um dos temas abordados no curso de Atualização em Terapias Cognitivas. Para saber mais informações sobre o curso, clique aqui


O sofrimento humano é inevitável. Mesmo podendo contar com diversos recursos, ainda assim, somos vulneráveis a sentimentos, pensamentos e sensações físicas relacionadas à ansiedade, tristeza, raiva, entre outros. A simples presença dos mesmos, segundo a ACT, não indica um problema por si só. Segundo o modelo desenvolvido por Hayes e colaboradores (1999), sintomas psicológicos disfuncionais são causados pelos mesmos mecanismos envolvidos com a nossa adaptação, especialmente aqueles relacionados à linguagem humana. A atividade simbólica permite que reajamos a estímulos que não estejam presentes no exato momento. Em muitos casos esta capacidade é adaptativa, mas se usada de forma rígida pode se tornar prejudicial. Segundo esta visão, pensamentos ou emoções angustiantes fazem parte da experiência humana e podem ser funcionais. Para a ACT o problema está na maneira com que reagimos a estas experiências. Hayes, Strosahl e Wilson apontam que a inflexibilidade psicológica é a principal responsável pelas dificuldades relatadas por pessoas com alto grau de sofrimento. Esta última seria produto de seis processos interconectados, quais sejam:


•         Evitação experiencial

•         Fusão cognitiva

•         Apego ao self conceitualizado

•         Domínio do passado e futuro conceitualizados

•         Inação, impulsividade ou persistência evitativa

•         Falta de clareza dos valores


Entre os principais fatores relacionados às queixas psicológicas pode-se destacar a evitação experiencial e a fusão cognitiva. A primeira se refere às tentativas de controle e supressão de experiências angustiantes. A fusão cognitiva ocorre quando pensamentos e suas referências ficam conectados profundamente. Desta forma, ter um pensamento passa a ser o mesmo que estar diante do fato em si. Este tipo de processo é bastante comum em pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Para estas pessoas ter um pensamento ruim se torna tão estressante quanto viver a situação imaginada.


Hayes, Strosahl e Wilson (2012) sugerem seis outros processos que favoreceriam a flexibilidade psicológica, são eles:

•         Aceitação

•         Desfusão cognitiva

•         Atenção flexível ao momento presente

•         Valores

•         Ação comprometida

•         Self-como-contexto


Segundo esta perspectiva, o tratamento proposto pela ACT busca ajudar o paciente a desenvolver uma consciência mais aguçada de suas emoções e pensamentos, e que escolham reagir a eles da forma que julgam ser melhor de acordo com seus valores.




Referências: 

Hayes, S. C., Strosahl, K. D., & Wilson, K. G. (1999). Acceptance and commitment therapy: An experiential approach to behavior change. New York: Guilford Press

 

Hayes,S. C., Strosahl, K. D., & Wilson, K. G. (2012) Acceptance and commitment therapy: The process and practice of mindful change. New York: Guilford Press



Por: André Pereira

 

A Neuropsicologia é o estudo da relação entre as áreas cerebrais
e o sistema nervoso, com o comportamento humano. A Avaliação Neurosicológica é realizada...

A Reabilitação Cognitiva é o processo que visa a estimulação cognitiva podendo auxiliar na recuperação, na melhora da performace e na diminuição do ritmo...

Conheça nossos profissionais que são psicólogos credenciados no CRP, com formação e especialização em suas abordagens de atendimento. Estamos preparados para atender você.

Nesta seção separamos os melhores artigos da área de Abordagens em Psicoterapia. Textos e materiais preparados por nossos profissionais qualificados.